Carnes Premium x Carnes Especiais: entenda as diferenças

Quais fatores interferem na compra da carne bovina?            

O consumo de carne bovina pode ser influenciado pelos fatores econômicos da população, que possuem maior ou menor poder aquisitivo para investir ou não na compra de determinado produto; pelos fatores ambientais, onde, por exemplo, dependendo da quantidade de chuvas, tem-se maior ou menor disponibilidade de pastagem e consequentemente, animais indo mais cedo ou mais tarde para o abate; pelos fatores relacionados à saúde (dietas da moda, obesidade, etc); pelos fatores sócio-culturais ligados à praticidade, religião.1

Assim como os consumidores mudam de desejos constantemente, toda a cadeia produtiva da bovinocultura de corte também vem passando por modificações. Portanto, com o aumento da modernização no setor, essas transformações possibilitaram uma maior produtividade, e além disso, o produto ganha novas formas de apresentação no mercado, com valor agregado, satisfazendo assim o nicho de mercado de carnes diferenciadas (especiais e premium,) procurado por alguns consumidores.

Um consumidor, ao tomar a decisão de compra de um produto leva em consideração fatores como: marca, preço, embalagem, etc e é papel fundamental da cadeia produtiva como um todo entender e compreender essa demanda, oferecendo não só os produtos adequados para cada nicho, bem como ferramentas de marketing que atinjam esse mercado cada vez mais antenado e exigente.

Nesse cenário, o consumidor pode ter as suas escolhas induzidas por campanhas promocionais, propagandas e rótulos para formar suas expectativas em relação à qualidade, de acordo com as informações recebidas sobre o produto, e pode assim decidir se está disposto a pagar a mais por um produto diferenciado.

Dentro desse contexto, informações de rastreabilidade do produto, que podem contemplar desde a origem do animal, bem como o método de criação, se tornam importantes para aqueles que buscam um produto diferente e estão dispostos a pagar um valor maior, desde que suas expectativas sejam atingidas. Na cadeia produtiva de carne bovina já existem rótulos como OrgânicoMaturadoPrecoce, Informações relacionadas à raça de origem e Cortes não tradicionais ao dia a dia do brasileiro, já são realidade.

Carnes especias x Carnes premium: o que são?

Ouve-se muito falar sobre Carnes Especiais e Carnes Premium, dando a entender que os dois tipos de produtos são os mesmos, entretanto, podemos citar algumas diferenças entre esses dois nichos de mercado:

          Carnes especiais

Os cortes tradicionais no dia a dia do brasileiro são aqueles que qualquer um já comeu, ou, pelo menos, já ouviu falar. São aqueles que você compra em qualquer açougue de bairro ou supermercado. São eles: patinho, coxão mole, coxão duro, músculo, lagarto e vários outros.

Outros cortes tradicionais, geralmente usados em ocasiões especiais (churrasco do fim de semana, almoço de domingo…) como picanha e filé mignon, são também muito conhecidos pela maioria dos brasileiros.

Entretanto, com a globalização, que faz da população um consumidor mais exigente; e com a modernização do setor, vemos atualmente cortes não tradicionais, chamados de Carnes Especiais, ganharem cada vez mais o gosto do consumidor.

Chamamos por Carnes Especiais os cortes de carne bovina que não estão usualmente inseridos no dia a dia do consumidor e, geralmente, são comuns em outros países como, por exemplo, Estados Unidos e Argentina.

Os já famosos T-Bone (americano) e Ancho (argentino) nada mais são que uma variação da já conceituada Bisteca, corte proveniente do Contra Filé.

Da mesma forma, o Brisket (americano) vem se tornando um corte muito conhecido pelos churrasqueiros no Brasil e que num passado não tão distante, era o Peito Bovino, conhecido por ser uma carne de segunda, por estar localizado na região do dianteiro do animal.

O churrasqueiro brasileiro vem se mostrando mais exigente, buscando por produtos diferenciados no mercado. Há algum tempo atrás assar um corte de T-bone era algo dispensável, pois esse tipo de produto era pouco acessível e não muito conhecido pelos consumidores. Porém, hoje em dia, as carnes especiais estão ganhando destaque no paladar dos indivíduos, sendo cada vez mais presentes nos seus churrascos.

            Carnes Premium

Chamamos de Carnes Premium todo corte de carne bovina, de qualquer parte do animal (traseiro ou dianteiro) que seja proveniente de um método de criação ou raça o qual torna o produto final diferente do comum, agregando a este produto algo que (teoricamente) beneficie a saúde, o meio ambiente ou que agregue ao produto final diferenças na percepção e no paladar do consumidor.

Existem dezenas de exemplos, mas os mais comuns no mercado brasileiro são:

Carne orgânica: de acordo com a WWF a carne orgânica é “aquela  carne produzida a partir de um sistema produtivo ambientalmente correto, socialmente justo e economicamente viável. É um alimento produzido isento de resíduos químicos, pois a carne é produzida da maneira mais natural possível, com os animais sendo tratados principalmente com medicamentos fitoterápicos e homeopáticos, vacinados e alimentados com pastos isentos de agrotóxicos.”

Carne Angus Certificada: de acordo com a Associação Brasileira de Angus é “um programa tem por objetivos a valorização da carne de animais Angus e suas cruzas, buscar a valorização e o pagamento por qualidade aos produtores engajados, fomentar o crescimento da raça Aberdeen Angus, fortalecer e integrar a cadeia produtiva, além da produção de carne de alta qualidade de acordo com critérios valorizados pelo mercado, buscando atender os mais exigentes consumidores.”

Geralmente, o consumidor que paga por uma Carne Premium está buscando algum benefício específico, além do alimentar. Este consumidor está disposto a pagar por um produto que tenha algum benefício à saúde ou meio ambiente e/ou tenha uma maciez e sabor diferenciados.

Mas e a carne commodity?

Carne commodity é aquela que a gente compra em qualquer açougue. Essa carne é produzida em grande escala, oferecida em grande quantidade, em escala mundial, sem marca, não é diferenciado e, portanto, o produtor não consegue interferir no preço de venda.

Diferenciar um produto através do corte, da embalagem e da marca, por exemplo, quebra essa corrente e agrega valor ao produto final, permitindo, em teoria, que o produtor interfira no valor final do produto.

Algumas considerações:

  • Carnes especiais podem ser tanto provenientes de produção commodityquanto de uma produção destinada à carnes premiumComo dissemos anteriormente: um produto pode ter sido produzido sob um sistema comum e, na fase de industrialização receber diferenciais (embalagem, maturação) que confiram valor agregado, tornando-o um corte especial;
  • Nem toda Carne Especial é Premium, mas toda Carne Premium é Especial. Complementando o que dissemos anteriormente: uma carne especial pode ter sido proveniente de um método produtivo em que, ao final, ofereça à indústria uma commodity. Mas a indústria pode transformar essa commoditynum produto especial. Entretanto, uma carne commodity jamais será uma carne premium, pois não existem no método de criação algo que agregue diferenciais no produto final.

É ideal que as empresas percebam a demanda dos consumidores por esses produtos com qualidade extra, podendo investir nesses nichos de mercado. O grande desafio é a criação de produtos convenientes que apresentam praticidade para os consumidores, evitando que os produtos percam a qualidade e as suas características sensoriais como sabor, maciez e suculência.

Deste modo, é essencial que todos os elos da cadeia produtiva entendam a demanda por parte do mercado consumidor, podendo assim, realizar a produção adequada, tanto pelo pecuarista, quanto pela indústria e pelo varejo.

Sabe-se então que o churrasco pode ser mais do que um momento especial, no qual a família e os amigos se reúnem! Com o consumo de produtos com qualidade extra, que atendam às expectativas dos consumidores de alimentos, como os cortes de carne bovina premium e especiais, o churrasco pode se tornar uma experiência incrível!

Autoras: NATÁLIA FELICIANO OURIVEIS / PAULA MARTINO

Créditos: 

Compartilhe essa notícia

Facebook
Google+
Twitter
WhatsApp

Deixe uma resposta

Fechar Menu
×

Carrinho